quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007


siegfried
estranhos mundos
os teus
não se aquietam
quando sós
descascam a tinta das paredes
do quarto onde escondo meus sonhos
fiapos de sombras murmurando bendizeres
quando rogo clemência
loucos
dão-me as costas em temor

4 comentários:

Paulo Sempre disse...

Estranhos, de facto.....

Mary disse...

estranhos nós...

beijos

tb disse...

estranhos sentires...

Celso disse...

tanto estranhos, como estrangeiros, poeta. Estarei em Belém dia 26. Farei contato.

Abraço